13 de fev de 2012

Educação em Rondônia


Trabalhadores em educação fazem assembleia quinta-feira e podem deliberar  greve por tempo indeterminado.PDFImprimirE-mail
Seg, 13 de Fevereiro de 2012 09:47
Os trabalhadores em educação estaduais se reunirão quinta-feira, dia 16 de fevereiro, às 16 horas, em uma nova assembleia extraordinária convocada pelo Sintero.
A assembleia ocorrerá simultaneamente em todas as Regionai s e terá como pauta a avaliação de uma eventual resposta do governo à ultima contraproposta aprovada pela categoria e encaminhada ao governador Confúcio Moura e ao secretário de Estado da Educação Julio Olivar.
Na assembleia realizada dia 09 de fevereiro os trabalhadores rejeitaram por unanimidade a proposta do governo e decidiram manter o diálogo apresentando uma última contraproposta.
No entanto, a maioria das Regionais aprovou greve caso o governo não melhorasse a proposta.
Neste fim de semana o Sintero reuniu em Porto Velho o Sistema Diretivo, formado pelos Diretores Executivos, Diretores Regionais e pelos Conselheiros Fiscais.
O encontro teve como finalidade avaliar as assembleias realizadas na semana anterior e definir estratégias de luta caso a categoria decida entrar em greve por tempo indeterminado.
O presidente do Sintero, Manoel Rodrigues, disse que a insatisfação dos trabalhadores é muito grande devido a defasagem salarial e a falta de valorização profissional.
A categoria dos trabalhadores em educação é a que possui os mais baixos salários do Poder Executivo, apesar de ser em maior número.
A educação possui aproximadamente 52% do funcionalismo público do governo estadual, mas conta com apenas uma fração dos 25% da arrecadação para pagar salários.
Por isso a direção do Sintero defende o aumento do volume de recursos públicos destinados à educação, permitindo, assim, a melhoria salarial da categoria.
“Enquanto não se aumenta o percentual da educação, o governo pode utilizar recursos próprios para amenizar a situação dos trabalhadores em educação”, disse o presidente do Sintero.
A contraproposta aprovada pelos trabalhadores em educação e enviada ao governo pelo Sintero é o mínimo que a categoria aceitará, e consiste no seguinte:
1.  Aumento salarial de 15% no vencimento básico;
2.  Aumento de 100% na gratificação de unidade escolar que hoje é de R$ 90,00 para técnicos administrativos, R$ 130,00 para professores em sala de aula e de R$ 150,00 para professores lotados em outros setores das escolas;
3.  Envio do Plano de Carreira à Assembleia Legislativa em março;
4.  Auxílio alimentação no valor de R$ 250,00;
5.  Destinação mensal de R$ 500 mil para pagamento da licença prêmio com critérios a serem definidos pela categoria em assembleia;
6.  Garantia do pagamento do auxílio saúde aos aposentados no valor de R$ 150,00.
 A direção do Sintero aguarda uma resposta do governo e na quinta-feira apresentará em assembleia o resultado das negociações. Independentemente da resposta às reivindicações, o Sintero encaminhou à Seduc ofício solicitando informações acerca do valor mensal destinado à educação e dos gastos com folha de pagamento.
 Fonte: SINTERO

Nenhum comentário: